E-zine - Punk / Hardcore / Rock / Metal

Sesc Pompeia celebra os 40 anos do punk com Ratos de Porão, Questions, Sugar Kane e mais bandas

9 de novembro de 2017 | Publicado por: Fabio Martiniano

Tags: , , , , , , ,

punk nao morreu

Release oficial:

No final deste mês, um festival de música no Sesc Pompeia celebra os 40 anos de história que o punk rock completa em 2017. De 18 a 26 de novembro, 9 bandas e mais de 50 artistas se revezam no palco da Comedoria em apresentações comandadas por alguns dos mais representativos grupos de punk e pós-punk do país, como Ratos de Porão, Lixomania, Restos de Nada, AI5, Mercenárias, Patife Band, Questions e Sugar Kane.

Além dos shows regidos pelas bandas que construíram o repertório punk do país nas últimas décadas, o festival 40 Anos de Punk será encerrado pela apresentação O Punk Não Morreu, show especial composto por vários representantes do estilo musical no Brasil, que se intercalam no palco.

Apesar de ser difícil definir, com exatidão, quando o punk surgiu, foi em 1977 que o estilo musical explodiu para o mundo. Naquele ano, foram lançados alguns LPs pioneiros, além de coletâneas com o melhor do punk até o momento. É também em 77 que os “garotos de jaqueta preta” da Vila Carolina e de outros bairros do subúrbio paulistano, começaram a se reunir em grupos, organizar seus “sons de fita” e idealizar suas futuras bandas.

Com o festival 40 Anos de Punk, o Sesc Pompeia pretende celebrar este estilo musical e preservar sua memória, ajudando a contar essa história que perdura há quase meio século.

 

Programação

Com dois shows por noite, o festival 40 Anos de Punk começa no sábado, dia 18 de novembro, com apresentações do grupo paulistano de hardcore Questions e a banda Sugar Kane, nascida em Curitiba há 20 anos; na quinta, 23/11, o palco é ocupado por Ratos de Porão, formada em 1981 e provavelmente a banda punk há mais tempo em atividade sem nunca ter parado de tocar, e Lixomania, responsável pelo primeiro compacto de uma banda punk no Brasil – o EP “Violência e Sobrevivência”, de 1982.

O festival continua na sexta, dia 24/11, com shows da primeira banda punk do Brasil, a Restos de Nada, criada em 1978, mesmo ano em que nasceria o grupo AI5, que também sobe ao palco do Sesc Pompeia nesta noite; no sábado, dia 25/11, os grupos convidados são As Mercenárias, lendária banda pós-punk feminina de São Paulo, e Patife Band, criada por Paulo Barnabé nos anos 1980 a partir de um projeto que mescla punk rock, jazz e música brasileira.

No domingo, dia 26/11, para encerrar o festival, a apresentação especial O Punk Não Morreu reúne, no mesmo palco, dezenas de artistas que fizeram a história do estilo musical no país. Entre os músicos que se revezam no palco durante o show, quase todos eles tocaram no festival O Começo do Fim do Mundo, que aconteceu no Sesc Pompeia, em 1982.

 

História

Em meados dos anos 1960, as bandas de garagem mais radicais, como a inglesa Troggs e a peruana Los Saicos, faziam um som que hoje em dia é conhecido como Garage Punk. Na mesma época, o Velvet Underground surgia em Nova Iorque. Anos depois, ainda na década de 60, o MC5 e os Stooges gravaram seus primeiros discos, considerados os embriões do punk rock.

Em 1972, a revista Creem já usava o termo punk rock quando, no mesmo ano, David Bowie lançou seu quinto álbum, “The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars”, que continha a música “Suffragette City”, uma espécie de pré-punk. Em 1976, o Damned, o Saints e os Sex Pistols lançaram compactos de punk rock.

No entanto, é em 1977 que o punk é, de vez, incorporado às setlists pelo mundo. Neste ano, os discos “Nevermind the Bollocks”, “Damned Damned Damned”, “Pink Flag” e “L.A.M.F.” são lançados, e também chega ao mercado a coletânea “A Revista Pop apresenta o Punk Rock”, lançada no Brasil pela Editora Abril, com o melhor do gênero até então.

 

SERVIÇO

 

Festival 40 Anos de Punk

Com Ratos de Porão, Lixomania, Restos de Nada, AI5, Mercenárias, Patife Band, Questions, Sugar Kane e o show especial “O Punk não Morreu”.

De 18 a 26 de novembro. Quinta, sexta e sábados, a partir das 21h30 (abertura da casa às 20h). Domingo, a partir das 18h30 (abertura da casa às 17h30).

Na Comedoria do Sesc Pompeia (Rua Clélia, 93, São Paulo – SP).

Apresentações não recomendadas para menores de 18 anos.

Confira valores e datas para venda de ingressos de cada show.

 

DIA 18 /11

Questions + Sugar Kane

18 de novembro, sábado, a partir das 21h30

Ingressos (válidos para as duas apresentações da noite): R$ 9,00 (credencial plena/trabalhador no comércio e serviços matriculado no Sesc e dependentes), R$ 15,00 (pessoas com +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) e R$ 30,00 (inteira).

Venda online a partir de 7 de novembro, terça-feira, às 17h30.
Venda presencial, nas unidades do Sesc SP, a partir de 8 de novembro, quarta-feira, às 17h30.

QUESTIONS: Formada em 2000, a banda paulistana Questions apresenta seu hardcore com letras de protesto que falam sobre a vida na periferia da capital. Questionador desde o nome, o grupo busca unir a intensidade do hardcore ao peso e à agressividade do metal. O primeiro registro, a demo “We Shall Overcome”, foi lançado em junho de 2000, mas o primeiro álbum, “Resista!” surgiu três anos depois, em 2003. “Fight For What You Believe”, o segundo CD da banda, saiu em 2007, ano em que a Questions saiu em turnê por 17 países da Europa. O terceiro trabalho, “Rise Up”, estreou em 2009, procedido pelo CD / LP “Pushed Out…of Society”, de 2015. Questions é formada por Edu Andrade, no vocal, Pablo Menna, na guitarra, Eduardo Akira, bateria, e Hélio Suzuki, no baixo.

Contatos: www.questions.com.br / www.questionshc.bandcamp.com www.youtube.com/questionstv / www.facebook.com/questionsbr/

SUGAR KANE: O quarteto Sugar Kane nasceu em 1997, em Curitiba (PR), e já acumula sete discos de estúdio, três EPs e um DVD ao vivo. Com um currículo de mais de 800 shows pelo Brasil, Europa e Estados Unidos, a Sugar Kane começou como uma banda de hardcore, mas firmou seu estilo navegando entre o punk e o alternativo. No palco do Sesc, a banda comemora 20 anos de estrada e realiza um show com repertório que passeia por toda a carreira. A formação atual do grupo conta com Capile, na voz e guitarra, André Dea, na bateria, Rick Mastria, na guitarra, e Igor Moderno, no baixo.

Contatos: www.facebook.com/sugarkaneoficial/ / www.sugarkane.com.br / https://goo.gl/G2UzZz (Spotify)

 

DIA 23 / 11

Ratos de Porão + Lixomania

23 de novembro, quinta, a partir das 21h30

Ingressos (válidos para as duas apresentações da noite): R$ 6,00 (credencial plena/trabalhador no comércio e serviços matriculado no Sesc e dependentes), R$ 10,00 (pessoas com +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) e R$ 20,00 (inteira).

Venda online a partir de 14 de novembro, terça-feira, às 19h.
Venda presencial, nas unidades do Sesc SP, a partir de 16 de novembro, quinta-feira, às 17h30.

RATOS DE PORÃO: Formado em 1981, o grupo Ratos de Porão passou por diversas fases e formações, e é provavelmente a banda punk há mais tempo em atividade sem nunca ter parado de tocar. Da formação original só resta o guitarrista Jão, mas a formação atual data de 2004 e é a mais duradoura da história da Ratos. Precursores do crossover no Brasil, com o disco “Descanse em Paz”, de 1986, a banda tem um público gigante tanto no punk quanto no metal, e o disco anterior, “Crucificados Pelo Sistema”, de 1984, é o primeiro LP de hardcore lançado na América Latina. Com 36 anos de carreira e 13 álbuns lançados, o Ratos de Porão apresenta os sucessos das quase quatro décadas de estrada, além de apresentar as canções do mais recente CD lançado, “Século Sinistro”, de 2014. A banda é formada atualmente por João Gordo, no vocal, Jão, na guitarra, Juninho, no baixo, e Boka, na bateria.

Contatos: https://goo.gl/aQu1hS (Spotify) / www.facebook.com/RatosdePoraoOficial/

LIXOMANIA: O quarteto surgiu na zona norte de São Paulo, em 1979, durante o período de efervescência do movimento punk no Brasil. Pioneira do gênero ao lado de Cólera, Inocentes, Olho Seco e Restos de Nada, a banda Lixomania foi a responsável por lançar, em 1982, o primeiro registro em vinil de uma banda punk na América do Sul: o compacto “Violência e Sobrevivência”. Pouco tempo depois, o grupo participou do festival “O Começo do Fim do Mundo”, no Sesc Pompeia, e depois decretou seu fim. Em 2004, a gravadora japonesa Speed State lançou um CD com as músicas do compacto de 1982 e várias gravações inéditas e então a Lixomania voltou a se reunir e tem se apresentado ao vivo e gravado discos, incluindo um CD ao vivo no Sesc Pompeia, em 2012. Atualmente composta por Moreno, no vocal, Miro de Melo, na bateria, Rogério Martins, na guitarra, e Luiz Cecílio, no baixo, a banda está se preparando para lançar o primeiro álbum da carreira só com músicas inéditas, intitulado “Pesadelo”, além de seguir em turnê comemorativa pelos 35 anos do lançamento do LP “Violência e Sobrevivência”.

Contatos: https://goo.gl/sE3bxF (Facebook) / https://goo.gl/VWprXp (Spotify)

 

DIA 24 / 11

Restos de Nada + AI5

24 de novembro, sexta, a partir das 21h30

Ingressos (válidos para as duas apresentações da noite): R$ 6,00 (credencial plena/trabalhador no comércio e serviços matriculado no Sesc e dependentes), R$ 10,00 (pessoas com +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) e R$ 20,00 (inteira).

Venda online a partir de 14 de novembro, terça-feira, às 17h30.
Venda presencial, nas unidades do Sesc SP, a partir de 16 de novembro, quinta-feira, às 17h30.

 

RESTOS DE NADA: A história da banda se confunde com a história do próprio punk rock. Formada em 1978, a Restos de Nada surgiu quando ainda era impossível para os punks gravarem em estúdio e os shows eram escassos. A banda foi dissolvida em 1980, após algumas mudanças em sua formação, mas, em 1987, os membros originais se reuniram para gravar as velhas canções num LP homônimo lançado pela Devil Discos. Desde então, os músicos da Restos de Nada se encontraram esporadicamente, até que, com a morte do fundador da banda, Douglas Viscaíno, em 2013, o grupo acabou. Em 2017, a banda sobe novamente ao palco para prestar uma homenagem ao movimento que ajudou a criar, além de celebrar os quase 40 anos de fundação do grupo. A formação atual conta com Ariel, nos vocais, e Clemente, no baixo, dois protagonistas que estiveram no começo de toda essa história, além de Luiz, na guitarra, e Nonô, na bateria.

Contato: www.facebook.com/restosdnada/

AI5: Criado em 1978, o grupo AI5 tocou no primeiro show punk de São Paulo, no porão de uma padaria no Jardim Colorado, junto da Restos de Nada e com produção de Kid Vinil. Sem muitos shows ou disco lançado, a banda acabou em 1980, voltando à ativa só agora, em 2017, para celebrar o relançamento, em CD, pelo selo Baratos Afins, do único material do grupo, uma demo gravada no começo dos anos 80, meses após o seu fim. Além deste relançamento, a AI5 prepara a produção de um novo material, que deve chegar ao mercado em  2018. O nome AI5 remete ao Ato Institucional Nº 5, mecanismo criado pelo regime militar em 1968 que coibia e punia diversas liberdades individuais, inclusive de pensamento. A partir desse episódio, começam a surgir manifestações sociais e culturais de resistência, como é o caso do movimento punk, berço da banda AI5. Atualmente, o grupo é formado por Memmeth Pesteaux, nos vocais, Fausto Celestino, na guitarra e vocais, Fábio Rodarte, no baixo, e Fellipe Fonseca, na bateria.

Contato: https://www.facebook.com/aicincopunk/ /

 

DIA 25 / 11

Mercenárias + Patife Band

25 de novembro, sábado, a partir das 21h30

Ingressos (válidos para as duas apresentações da noite): R$ 6,00 (credencial plena/trabalhador no comércio e serviços matriculado no Sesc e dependentes), R$ 10,00 (pessoas com +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) e R$ 20,00 (inteira).

Venda online a partir de 14 de novembro, terça-feira, às 17h30.
Venda presencial, nas unidades do Sesc SP, a partir de 16 de novembro, quinta-feira, às 17h30.

MERCENÁRIAS: Oito anos antes do Bikini Kill inaugurar a onda de punk-hardcore feminista (em 1990), as Mercenárias já perambulavam pela noite de São Paulo. Desde o seu surgimento, em 1982, o grupo já se apresentou diversas vezes no Sesc Pompeia; a primeira foi em 1983, ao lado dos Titãs e Ira! Em 1986, elas lançaram o LP “Cadê as Armas”, pela Baratos Afins, o primeiro disco de rock independente gravado apenas por mulheres no Brasil. No ano seguinte, lançaram “Trashland”, fizeram alguns shows, e em seguida a banda acabou. No início dos anos 2000, as Mercenárias voltaram a tocar, e agora, em formação power trio, celebram os 35 anos de carreira com Sandra Coutinho, no baixo, Pitchu Ferraz, na bateria e backing vocals, Marianne Crestani, na guitarra.

Contato: www.facebook.com/asmercenariasodisseia/ / https://goo.gl/4TjDVe (Spotify)

PATIFE BAND: Paulo Barnabé resolveu partir para a carreira solo em 1984, após uma temporada do lançamento do disco “Tubarões Voadores”, de Arrigo Barnabé, seu irmão. Não passou muito tempo e já estava com a primeira formação de sua Patife Band – intitulada na época de “Paulo Patife Band” – em plena década de 1980, época em que começava a despontar a nova safra do rock nacional. Em 1987, o grupo lançou o disco “Corredor Polonês”, misturando punk rock, jazz e música brasileira. Depois disso, a banda dura mais um ano e volta à ativa apenas em 2003. A atual safra de composições de Paulo Barnabé continua transgressora e experimental, e a banda segue na ativa fazendo tocando clássicos de “Corredor Polonês” e diversas faixas inéditas, incluindo um novo single, que está sendo preparado para lançamento em breve. A Patife Band é composta por Paulo Barnabé, na voz, percussão e bateria, Fábio Gouvea, na guitarra, Felipe Brisola, no baixo, e Elvis Toledo, na bateria.

Contato: www.facebook.com/paulobfoggia/ /

 

DIA 26 / 11

O Punk não Morreu

26 de novembro, domingo, a partir das 18h30

Ingressos: R$ 6,00 (credencial plena/trabalhador no comércio e serviços matriculado no Sesc e dependentes), R$ 10,00 (pessoas com +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) e R$ 20,00 (inteira).

Venda online a partir de 14 de novembro, terça-feira, às 17h30.
Venda presencial, nas unidades do Sesc SP, a partir de 16 de novembro, quinta-feira, às 17h30.

O PUNK NÃO MORREU: Show especial com vários representantes do punk brasileiro. A banda-base desta apresentação é formada por Clemente (Inocentes), no baixo, Mingau (Ratos de Porão), na guitarra, e Muniz (Fogo Cruzado), na bateria, três músicos que tocaram no festival “O Começo do Fim do Mundo”, que aconteceu no Sesc Pompeia, em 1982.

Os vocais ficam por conta de diversos músicos de bandas que também tocaram no festival, entre eles Ariel (Inocentes), Mauricinho (Juízo Final), Morto (Psykóze), Alê (Lixomania), Kiss (Fogo Cruzado), Wendel (Cólera), Barata (DZK), Fábio (Olho Seco), entre outros. A superbanda ainda conta com a participação especial de Vladi (Ulster), Pierre (Cólera), Val (Cólera) e Callegari (Inocentes).

O repertório do show O Punk Não Morreu reúne as canções que compuseram o LP gravado ao vivo durante o festival de 82, além de clássicos do punk nacional. Na ocasião, o LP “O Começo do Fim do Mundo” será relançado pela Nada Nada Discos, em vinil duplo, com um disco extra repleto de músicas que não estão na edição original, além de pôster, texto e fotos inéditas.



Comentários sem login do Facebook

Facebook

Twitter

Instagram

Instagram

Besouros.net 2002 - 2015 | Contato: besouros@besouros.net