Machine Head e Sepultura em São Paulo

.: Bandas
Machine Head, Sepultura e Threat

.: Local e Data
Via Funchal – 14/10/2011

.: Texto, fotos e vídeos
Flávio Santiago

Após 20 anos de espera, finalmente os americanos do Machine Head desembarcam em terras brasilis para sua primeira turnê divulgando o recém lançado Unto the Locust, os brasileiros do Sepultura e do Threat foram os encarregados de serem a banda de suporte deste show na etapa de São Paulo.

Com um Via Funchal parcialmente vazio , os paulistas do Threat subiram ao palco e além de enfrentarem problemas com o som que estava completamente embolado ainda tiveram que penar muito para empolgar ao escasso público que ainda se acomodava nas dependências da casa de shows, a apresentação do grupo foi competente mas ficaram naquela zona de neutralidade servindo apenas como trilha sonora para conversas paralelas enquanto o público tomava calmamente suas bebidas.

Após o show do Threat o palco é rapidamente arrumado e ajustes no som são feitos e logo as luzes se apagam, o público em êxtase ouve aos berros a introdução de Arise, banda postada no palco e logo após uma breve introdução instrumental é possível ouvir os primeiros acordes de Arise, o show começa matador e o público retribui a altura, logo após Refuse/Resist e a primeira música de seu novo álbum a boa kairos, logo após uma cover de Ministry para Just One Fix que também se encontra em seu ultimo trabalho.

O Sepultura fez um show extremamente competente mas era fácil perceber que as músicas da fase Max Cavalera eram realmente as que mais empolgavam ao público, sabendo disso a banda intercalou bem ao set list e conseguiu prender a atenção do público de maneira convincente, os destaques ficaram por conta da cover de Polícia (Titãs), que não era tocada há um bom tempo, além de Troops of Doom e a trinca que encerrou ao show Teritorry, Innerself e Roots Bloody Roots.

Após o término do show do Sepultura, todas as expectativas se voltavam ao palco da Via Funchal, afinal eram duas décadas de espera para poder conferir a esse show, o público que compareceu em bom número mas não chegou a lotar a casa, ovacionava a todo instante: “Machine Fucking Head”, como se fosse um mantra e não demorou muito para que Robb Flynn e sua trupe subissem ao palco e de forma excepcional com a poderosa Imperium abrindo ao show, o som do lugar aparentava problemas que foram corrigidos música após música, mas nem isso tirou a empolgação do público que agitava sem parar, o show foi bem focado em canções do novo álbum e dele podemos ouvir: Locust, I am Hell (Sonata in #C) e Darkness Within,sendo as duas últimas tocadas pela primeira vez ao vivo, para os fãs de longa data da banda as músicas Old, The Blood, The Sweat, The Tears e Buldozer foram cantadas em uníssono.

Robb Flynn faz muito bem o trabalho de front leader da banda e se comunica com o público como poucos, sempre simpático e atencioso cativava mais e mais aos fãs no decorrer do show e conduzia o público com maestria.

A banda bem a vontade no palco ainda tocou Ten Ton Hammer, e Aesthetics of Hate, antes de deixarem o palco para o manjado bis, talvez poucos acreditassem que o show estivesse chegando ao fim, pois até então os problemas de som permaneciam e a banda até aquele momento havia tocado apenas 10 músicas, a princípio se imaginou uma saída estratégica para reparos no som, mas não foi isso o que aconteceu, com uma demora de quase 10 minutos a banda retorna ao palco para as duas derradeiras canções, a excelente Halo e o hit que impulsionou a banda para essas duas décadas de existência Davidian que foi muito festejada pelo fãs, que apesar de gritarem insistentemente por mais canções não tiveram seus pedidos atendidos, e com isso tiveram de se conformar com um set de 12 músicas em pouco mais de 1 hora de espetáculo, pouco para uma banda que não vinha ao país desde sua existência, mas canções a parte o Machine Head fez um show potentee com qualidade, mas infelizmente curto.

Aguardemos por mais apresentações do grupo, mas que desta vez não demorem mais 20 anos.

Set list Sepultura:

1. Intro
2. Arise
3. Refuse/Resist
4. Kairos
5. Just one Fix (Ministry Cover)
6. Dead Embyonic Cells
7. Convicted in Life
8. Attiude
9. Choke
10. What I Do!
11. Relentless
12. Firestarter (Prodigy Cover)
13. Troops of Doom
14. Septic Schizo / Escape to the Void
15. Meaningless Movements
16. Seethe
17. Polícia (Titãs Cover)
18. Teritorry
19. Inerself
Encore:
20. Roots Bloody Roots

Set list Machine Head:

1. Imperium
2. Beautiful Morning
3. Locust
4. The Blood, The Sweat, The Tears
5. I am Hell (Sonata in #C) (primeira vez tocada ao vivo)
6. Bulldozer
7. Old
8. Aesthetics of Hate
9. Darkness Within (primeira vez tocada ao vivo)
10. Ten Ton Hammer
11. Halo
12. Davidian

Machine Head – The Blood, The Sweat, The Tears

Sepultura – Firestarter (Prodigy Cover)

Vai comprar algo na Amazon? Ajude o site usando nosso link: Amazon.com
Obrigado :)

Um comentário em “Machine Head e Sepultura em São Paulo

  1. I’d need to verify with you here. Which isn’t one thing I usually do! I enjoy reading a submit that can make individuals think. Also, thanks for permitting me to comment!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *