Resenha e fotos: The Get Up Kids em São Paulo

A primeira passagem do The Get Up Kids em São Paulo foi um dos shows mais aguardados da agitada agenda underground de 2017. 

tguk_2017_01

.:Bandas
The Get Up Kids, Hateen e Horace Green

.: Local e data
02/09/2017 – Carioca Club– São Paulo/SP

.: Resenha
Pérola Cattini

.: Fotos
Aline Almeida

A pista e camarotes do Carioca Club não demoraram para ficar forrados de gente. Afinal, com 23 anos de carreira, o The Get UP Kids marcou a adolescência dos admiradores do bom e velho emocore.

Antes do quinteto do Kansas entrar no palco, a plateia, visivelmente formada por um público acima da casa dos 25, 30 anos, pode aproveitar duas excelentes performances: a do Horace Green e dos veteranos do Hateen, que mandaram um set list especial com seus hits em inglês.

hateen_tguk_2017_02

Quando, enfim, as luzes se apagaram e o The Get Up Kids entrou no palco lançando de cara a clássica “Holiday”, quase não se via um ser humano parado. Os pulinhos de alegria, mãos para alto e o coro do público em plenos pulmões ditou a energia que se seguiu até o fim do show. A banda retribuía a empolgação do pessoal a cada acorde.

Como manda o protocolo, tinha muita gente chovendo do palco, mãos e palmas para o alto, sorrisos pra lá de largos e uma belíssima sintonia entre público e banda.

Os integrantes conseguiram manter a potência do show tanto entre as músicas mais aceleradas como naqueles hits mais lentos (que maltratam o coração de qualquer um, não importa a idade, razão ou circunstância).

Um momento que merece destaque foi a execução da “Walk in a Wire” (do álbum A Wire, de 2002). Rolou uma sintonia, um tipo de conexão silenciosa e intensa pela plateia, e era possível observar que todo mundo ali estava num momento de total contemplação, de sentir a música mesmo. Muitos até com olhos marejados (sem exagero).

Já era de se esperar que uma banda tão aguardada sempre vai ter um setlist curto demais para o gosto de seus fãs, afinal, se passou mais de uma década de espera. Mas, não há do que reclamar das 22 músicas que tocadas entre a primeira parte e o bis. Rolaram muitas do Something to Write Home About, considerado seu álbum clássico, de 1999.

tguk_2017_06

Faltaram sim alguns hits como “Come Clean” e “Central Standard Time”, mas a contrapartida que tivemos foram dois belíssimos covers: “Close to Me”, do The Cure e “Beer for Breakfast”, do Replacements.

Duas coisas que marcaram todo o show do The Get Up Kids foi a maestria com que a banda conseguiu mesclar seus sons mais agitados em uma primeira parte do show, deixando as baladas para o final. Essa simetria criou um clima dramático, no bom sentido. A outra foi a desenvoltura e empolgação dos caras da banda, que pareciam realmente estar à vontade para curtir o momento com seu público.

Agora é torcer para que a banda não tarde mais 22 anos para voltar a tocar em terras brasileiras e repetir essa excelente apresentação.

 

Alguns dos sons do setlist:
– Holiday
– I’m a Loner Dottie, a Rebel
– The One You Want
– Woodson
– Valentine
– Mass Pike
– No Love
– Forgive and Forget
– Campire Kansas
– Red Letter Day
– Don’t hate me

 

Confira a galeria de fotos:

Hateen

hateen_tguk_2017_05

hateen_tguk_2017_04

hateen_tguk_2017_03

hateen_tguk_2017_01

The Get Up Kids

tguk_2017_04

tguk_2017_10

tguk_2017_09

tguk_2017_08

tguk_2017_07

tguk_2017_05

tguk_2017_03

tguk_2017_02

 

Vai comprar algo na Amazon? Ajude o site usando nosso link: Amazon.com
Obrigado :)

2 comentários sobre “Resenha e fotos: The Get Up Kids em São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *